Home / Dicas e Tutoriais / Tabelas de Partição do HD – MBR ou GPT? Qual a diferença?
800px-Hard_disk_head_crash

Tabelas de Partição do HD – MBR ou GPT? Qual a diferença?

Com a introdução do Windows 8 e com a adoção da problemática interface UEFI – (EFI (Extensible Firmware Interface) Unificado) concebida para substituir a tradicional BIOS (Basic Input/Output System), houve também uma mudança no modelo de particionamento do disco rígido.

“MBR” ou “GPT são os modelos agora disponíveis, sendo que, apesar de arquiteturas diferentes, o GPT é considerado quase uma evolução do MBR.

Mas Qual a diferença entre MBR e GPT?

Partições nos discos rígidos

Em tempos apresentamos um ARTIGO sobre como particionar o disco. Na prática, particionar é o ato de dividir um disco rígido em múltiplas unidades lógicas (partições), isto é, como se múltiplos discos existissem dentro do disco físico. Mas qual a estrutura de particionamento do disco? MBR (Master Boot Record) ou GPT (Guid Partition Table).

Master Boot Record (MBR)

O MBR é um padrão antigo, que todos certamente conhecem, e que define a estrutura das partições, mantendo a informação sobre como as partições lógicas estão organizadas no disco. Usando esta estrutura, há mais limitações do que propriamente vantagens.

  • Um disco pode dividir-se num máximo de 4 partições primárias (Para contornar esta limitação é possível dividir o disco até 3 partições primárias e 1 partição estendida). Uma partição estendida pode dividir-se em múltiplas partições lógicas. Cada partição primária e lógica tem a sua própria letra de drive.
  • Como o MBR usa 32 bits para guardar informações da partições, cada partição apenas pode ter um tamanho máximo de 2 TB
  • Toda a informação das partições é guardada apenas num único local (..se o MBR ficar corrompido…)

mbr

Guid Partition Table (GPT)

A estrutura GPT (Tabela de Partição Guid) é um novo layout relativo a particionamento de disco rígidos. O GPT traz muitos benefícios comparativamente ao tradicional MBR (Master boot record), dos quais se destacam:

  • Suporte para partições acima dos 2 TB (ou seja, 2^64 blocos, um máximo de 1 ZB). De referir que no Windows, devido ao sistema de ficheiros NTFS, este tamanho está limitado para 256TB
  • Apesar de poderem ser criadas um número ilimitado de partições, o GPT “apenas” suporta 128 partiçõesprimárias
  • Melhor estrutura/organização ao nível das partições
  • Possui mecanismos para detecção da dados e partições corrompidas
  • Aumenta a probabilidade de recuperação de dados, na existência de sectores do disco danificados, uma vez que tem um cabeçalho secundário (Secondary GPT Header) que funciona como backup da tabela de partições.
  • O campo Protective MBR funciona ao estilo do MBR, mas com suporte para 64 bits. Esta área funciona como como “mecanismo” de retro compatibilidade.

gpt_00

O modelo GPT é actualmente suportado pela maioria dos sistemas operativos. De referir, que no caso do windows, apenas as versões a 64 bits suportam este esquema de partições.

Como vimos, o GTP traz melhorias significativas comparativamente ao tradicional MBR e é este o único modelo de partições suportado quando activamos a interface UEFI. Num próximo artigo iremos ensinar a converter de MBR para GPT.

 

Com a instalação do Windows 8, não teve jeito, fiz backup, formatei meu disco para GPT, particionei com o Gparted, Instalei o Windows 8, e depois nas outras partições instalei meus Linux favoritos.

Ficou assim em gpt, todas primárias:

sda1:   100 GB: ntfs: Windows
sda2:  400 GB: ntfs: Dados
sda3:      30 GB: ext4: Linux Ubuntu 14.04
sda4:      30 GB: ext4: Linux Ubuntu 13.10
sda5:      30 GB: ext4: Linux Elementary OS
sda6:      30 GB: ext4: Linux openSUSE
sda7:         4 GB: ext4: Linux Swap

 

Já optaram pelo “novo” modelo de partições GPT ou ainda usam o antigo MBR?

 

Abraços,

 

fontes: Wikipediapplware

 

Share

About cleuberadmin

Cleuber Silva Hashimoto. Administrador

11 comments

  1. conseguiu instalar o windows e o ubuntu tudo usando GPT e a bios UEFI ?

    • cleuberadmin

      Sim, estou usando tabela de partição GPT no meu notebook com UEFI, há mais de 2 anos, e precisei fazer backup e formatar o HD, mudar a tabela para GPT, particionar de novo e instalar os sistemas todos, e deu tudo certo. Na bios do meu notebook, precisei ativar o modo “legacy” de boot, para escolher o HD no boot ao invés do uefi, para que assim possa aparecer o grub. Se eu não apertar a tecla F9 (no meu caso para selecionar o hd do modo legacy) para subir, sobe o uefi por padrão subindo o Windows.

  2. Amigo tenho tentado instalar o wind 8.1 64bits mas sem sucesso. Acontece que ao utilizar uma versão mais recente em HDs zeros, no momento da instalação acusou nao poder pq a partição era MBR. Entao fiz o SHIFT+F10 / diskpart/ list disk/ select disk 0 (no caso) clean/ convert gpt/ format fs=ntfs quick (e depois como nao deu certo fiz o format override) feito isso, convertido e formatado depois deu a mensagem onde a instalação nao encontrou nenhuma partição. Não sei o q fazer. Pode me ajudar? neste momento estou baixando outra versao do win 8.1

    • cleuberadmin

      Depois de formatar o disco, provavelmente apagou as partições, é necessário criar uma partição para instalar o Windows.
      Vou compartilhar minha experiência pessoal. Quando saiu o Windows 8.1 e a mudança de tabela de partição mbr para gpt, eu formatei meu disco utilizando um pendrive com o Ubuntu que roda mesmo sem estar instalado e utilizei o programa do Linux chamado Gparted, com ele, exclui as partições, alterei a tabela de partições de mbr para gpt, criei uma partição NTFS e instalei o Windows 8.1. Depois de instalado reiniciei novamente a máquina pelo pen drive, diminuí a partição do Windows e criei outras do tipo “ext4” para instalar 4 outros sistemas operacionais, os 4 Linux. Você poderá tentar fazer isso através de algum procedimento encontrado neste artigo:
      http://www.cleuber.com.br/index.php/2015/03/04/preparando-seu-hd-com-windows-para-instalar-o-linux

      • Olá! Eu passei o Hd para GPT, instalei o windows 8.1, com UEFI e Security boot, criou 3 reparticoes.
        Igual no link em que voce passou… Foram recovery, boot e msftres.
        Entao eu criei uma particao pra backups, uma para o ubuntu, uma pra swap e outra para outra distro.
        Agora a dúvida..
        eu mudei lá em “Dispositivo no qual instalar o carregador de incialização” eu mudei para dev/sda2 (seria a reparticao “boot”), ta certo?
        iniciou aqui pra escolher entre o windows e o ubuntu, mas fica meio que “bugado”…. quando eu escolho o sistema fica preto a tela um bom tempo. dps aparece a tela de login do sistema que eu escolhi.
        se eu colocasse no dev/sda1 seria o mais correto?

        • cleuberadmin

          Oi Lucas, que bom que funcionou!
          O instalador do Linux instala o Grub em uma área no início do disco principal por padrão e não em uma partição.
          Sugiro que ao instalar o Linux, não altere o local de instalação do grub,
          Se você for um usuário avançado, que tenha mais de um Linux e queira deixar o grub da primeira distro instalada comandar, então na instalação de uma segunda distro, poderá escolher a opção de não instalar o Grub, ou instalá-lo utilizando e apontando a mesma partição que instalou esta segunda, (por exemplo, instalou na sda4 o sistema, pode instalar o grub na sda4 também), fazendo isso quem vai comandar é o grub da primeira distro instalada. E ao usar esta primeira, se for Debian ou Ubuntu ou outro derivado como o Mint, Elementary OS e etc, com o comando “sudo update-grub” poderá fazer com que este grub reconheça que há um novo Sistema Operacional presente no disco e adicione automaticamente esta entrada na lista de sistemas do grub.
          Mas se está funcionando, talvez seja bom deixar assim…kkk.

          • Pois é! fiquei até surpreso! é uma pena que ficou meio feio a inicializacao… aparece uns quadrados de vez em quando! fica todo colorida a tela…
            Nas proximas formatacoes total do sistema eu farei isso que você faloou, e vou instalar as outras sem o grub porque apontando pra mesma reparticao um dia eu nao consegui!
            eu acompanho sempre aqui e você está de parabéns! posta mais coisas sobre o conky! por favor, aqui nao consegui direito. Mas estou toda hora tentando algo….
            abraços! e Obrigado

          • cleuberadmin

            Valeu Lucas! Pode deixar, amanhã posto mais sobre o COnky! Valeu! Abraço!

  3. Companheiro gostei do artigo muito bom.

    Tenho uma duvida sobre tabela de partições. Por exemplo se eu comprar um hdd ele já vem com uma tabela de partição ou essa tabela é gerada no momento que instalamos o sistema operacional? Se no caso a tabela ja vir no momento da compra do hdd (mesmo sem ter nenhum sistema operacional instalado) essa tabela será a mesma usada durante todos os anos de vida util desse hdd? Só existe uma tabela para todos os sistemas operacionais?

    Caso puder me responder ficarei muito grato!
    Desde já agradeço.

    • cleuberadmin

      Boa pergunta Daniel.
      Eu não tenho certeza absoluta, mas estou quase certo que quando compramos HD, e o mesmo ainda não possui nenhuma partição, ele também não vai ter um tipo de tabela de partições. Daí no momento de se criar suas partições é possível nesse processo definir o tipo de tabela. Uma vez escolhido o tipo de tabela, ela valerá para o HD todo e todas as partições que vc criou nele, e poderá instalar diversos tipos de sistemas operacionais em cada partição. E o HD sempre permanecerá com o tipo de tabela que vc definiu.

      • cleuberadmin

        É importante não confundirmos o tipo de tabela de partição com o tipo de partição. A tabela pode ser MBR ou GPT, conforme publiquei no artigo. Os tipos de partição são diversos…NTFS, Ext3, Ext4, Fat32, Extfat, Btrfs e etc. E podem ser criados nos discos tabelados tantos em MBR quanto em GPT.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

x

Check Also

eos-loki-final-8

Elementary OS 0.4 Loki Lançado – Baixe Agora!

Olá pessoal. Depois de uma angustiante ...